Le Corbusier, Património da Humanidade

Published on 01 agosto 2016
  • Villa Savoye

    Villa Savoye

    © J-C Ballot - CMN Paris

  • Cité Radieuse

    Cité Radieuse

    © OTCM - FLC

  • Cité Radieuse

    Cité Radieuse

    © OTCM - FLC

  • Maison de la Culture de Firminy

    Maison de la Culture de Firminy

    © Arnaud Frich - F.L.C / ADAGP

  • Chapelle Notre-Dame du Haut

    Chapelle Notre-Dame du Haut

    © ADAGP

Le Corbusier, Património da Humanidade

Uma seleção de obras do famoso arquiteto suíço-francês, Charles Edouard Jeanneret-Gris (1887-1965), mais conhecido sob o pseudônimo « Le Corbusier »,  estão finalmente entre os sítios declarados Património Mundial pela UNESCO.

 

O resultado de um trabalho coletivo de mais de 10 anos.

Um conjunto de 17 edifícios projectados por Le Corbusier (1887-1965) em sete países de todo o mundo e o complexo moderno de Pampulha, no Brasil, de autoria de Óscar Niemeyer (1907-2012), estão entre os novos quatro sítios inscritos pela UNESCO na lista do Património da Humanidade.

 

Em França a classificação, fruto do trabalho coletivo apoiada pela França e a combinação de sete países (Argentina, Bélgica, França, Índia, Japão e Suíça), foi celebrada como o termo feliz de um processo que se arrastou ao longo de quase uma década, já que a primeira tentativa de integração desta série de projectos na lista do Património da Humanidade remonta a 2009. 

 

Arquiteto avant-garde

Visionário para o seu tempo, as criações de Le Corbusier raramente deixam insensível. Ele ainda é um dos mais famosos arquitetos do mundo, o precursor de uma arquitetura nova e moderna. A cidade era o seu campo de jogos favorito e concreto armado o seu material favorito.


Suas obras testemunham a invenção de uma nova linguagem para a arquitectura, em ruptura com o passado.

As obras do arquiteto na França entre os sítios inscritos pela UNESCO :

 

  • Maisons La Roche et Jeanneret, Paris, Ile de France (1923)
  • Cité Frugès, Pessac, Aquitaine (1924)
  • Villa Savoye et loge du jardinier, Poissy, Ile de France (1928)
  • Immeuble locatif à la Porte Molitor, Boulogne-Billancourt, Ile De France (1931)
  • Unité d'habitation "La Cité Radieuse", Marseille, Provence-Alpes-Côté d'Azur (1945)
  • Manufacture à Saint-Dié-des-Vosges, Lorraine (1946)
  • Chapelle Notre-Dame-du-Haut, Ronchamp, Franche-Comté (1950)
  • Cabanon de Le Corbusier, Roquebrune-Cap-Martin, Provence-Alpes-Côté d'Azur (1951)
  • Couvent Saint-Marie-de-la-Tourette, Eveux, Rhône-Alpes (1953)
  • Maison de la Culture de Firminy, Rhône-Alpes (1953)

 

Um "artista" mundialmente reconhecido

Os 7 projectos do arquitecto franco-suíço pela UNESCO espalhados pela  Alemanha, Bélgica, Suíça, Índia, Japão e Argentina:

 

  • o Capitólio de Chandigarh, Índia (1952);
  • o Museu Nacional de Belas Artes do Ocidente, Tóquio (1953);
  • a Casa do Doutor Curutchet, em La Plata, Argentina (1949);
  • Immeuble Clarté, Genève, Suíça (1930);
  • Maison Guiette, Anvers, Flandres, Belgique (1926)
  • Maison de la Weissenhof-Siedlung, Stuttgart, Bade-Wurtemberg, Allemanha (1927)
  • e a famosa Unidade de Habitação de Marselha, construída a seguir à II Guerra Mundial e que ficou conhecida como “Cidade Radiosa” tornando-se uma referência fundamental do Movimento Moderno.