Cafés e restaurantes míticos em Paris

  • © © ATOUT FRANCE/Michel Angot flore

Cafés e restaurantes míticos em Paris París fr

Os estabelecimentos míticos em Paris

  • Maxim's

Foi o empregado de mesa, Maxime Gaillard, que deu o nome à este bar popular inaugurado em 1893. Mas foi seu sucessor, Eugene Cornuché, que o tornou num lugar mundano, onde o "todo Paris" e as mulheres elegantes alternavam-se ao ritmo das melodias de Offenbach e com a estética Arte Nova realizada por ocasião da Exposição Universal de 1900. Mais tarde recebeu Mistinguett ou Proust (anos 1915-1920) assim como a realeza europeia ou ainda a diva Maria Callas nos anos cinquenta e sessenta, mantendo a sua decoração original. Hoje é propriedade do designer Pierre Cardin e tornou-se uma marca que inclui cabaré e um museu assim como réplicas do restaurante em várias grandes cidades do mundo.

  • Drouant

Um comerciante alsaciano inaugurou este local em 1880 no bairro da Ópera. Tinha como clientes habituais dois famosos "Auguste", o pintor Renoir e o escultor Rodin. Em 1903, reunia-se com regularidade um prestigioso comité de leitura que se converteu mais tarde no júri do prémio Goncourt. O local de reunião continua a ser o mesmo desde então, e o prémio decide-se em novembro após um largo debate e uma boa comida. 

  • Les Deux Magots

Uma modesta loja do bairro Latino, na praça Saint-Germain-des-Prés, converteu-se no final do século XIX no café dos românticos, frequentado entre outros por Arthur Rimbaud. Cinquenta anos mais tarde, foi o local de reunião dos escritores e filósofos, entre os quais Jean-Paul Sartre...

  • O café de Flore

Tal como o seu "vizinho", este café do bairro de Saint-Germain continua a ser um local de encontro inevitável para a cultura literária. Nos anos cinquenta, o escritor Boris Vian, promoveu a corrente “existencialista”, antes de deixar o seu local aos audaciosos cineastas da New Wave dos anos sessenta.

  • La Closerie des Lilas

Rodeada por um pequeno jardim de lilas, este pequeno bar do bairro de Montparnasse nasceu em 1847 e converteu-se no fim do século XIX noutro local de predileção para os poetas (Verlaine, etc.) mas também para Lenine, em exílio, que jogava ali xadrez. Mais tarde, o estabelecimento teve como clientes Hemingway, Aragon, Picasso e muitos outros.

  • Le Fouquet's

Situado na avenida dos Campos Elíseos, este pilar da vida noturna parisiense mantém desde há um século o espírito de "cervejaria de luxo”. Declarado Monumento Histórico, o local atrai a jet-set, as estrelas de cinema e os políticos.

E outros estabelecimentos “mundanos” ou de “famosos” em Paris

  • Brasserie Lipp, bairro de Saint-Germain (desde 1880)
  • Brasserie La Coupole, boulevard Montparnasse (Monumento Histórico)
  • Le Café de la Paix, na esquina da praça da Ópera Garnier
  • Le Pré Catelan

Mais informações