O mais novo museu da França abre suas portas em Marselha

  • © Mucem.org

O mais novo museu da França abre suas portas em Marselha marseille fr

O Museu das civilizações de Europa e do Mediterrâneo, dirigido por Bruno Suzzarelli, foi inaugurado no dia 7 de junho e conte com 45 000 m² divididos em 3 edifícios, um na entrada do porto, outro no Forte Saint Jean e o terceiro na Belle de Mai.

O MuCEM é um espaço aberto a todas as manifestações multidisciplinares onde antropologia, História, Arqueologia e Arte se encontram de forma única e apresentam um olhar cultural, social, político e científico sobre a diversidade de civilizações que construíram o mundo mediterrâneo da Pré-História aos nossos dias.

A instituição é também uma verdadeira cidade de conhecimento e intercâmbio abordando temas atuais do mundo contemporâneo. Além de grandes exposições, o MUCEM  proporciona a todos os públicos conferências, debates, feiras, peças de teatro, projeção de filmes e documentários, performances e um admirável projeto paisagístico.

Um museu, 3 prédios!

1 – O J4

O novo edifício, construído sobre o antigo porto pelo arquiteto Rudy Ricciotti,é o coração do MuCEM. O J4 (15 000 m²) tem dois grandes pavilhões: o primeiro, La Galerie de la Méditerranée, é dedicado às descobertas das civilizações mediterrâneas e o segundo recebe duas exposções temporárias, Le Noir et le Bleu. Un rêve méditerranéen e Au bazar du genre. O J4 oferece também um espaço dedicado às crianças, um auditório, uma livraria e um restaurante com vista panorâmica.

2 – O forte Saint-Jean

O forte Saint-Jean, recentemente restaurado (15 000 m²), é um monumento histórico cuja origem remonta ao século XII. Conectado ao J4 por uma passarela, sobre o mar, ele permite ao visitante contemplar uma vista incrível, até então desconhecida. O público poderá descobrir as riquezas das coleções de arte e tradições populares do MuCE e visitar o café, a livraria e loja de suvenires.   

3 – O Centro de conservação e recursos  (CCR)

O terceiro prédio, no bairro de Belle de Mai, abriga o Centro de Conservação e Recursos (CCR – 14 000 m²), concebido pelo arquiteto Corinne Vezzoni. Espaço destinado a conservação de coleções, o CCR oferece visitas aos bastidores, centro de documentação e exposições temporárias.