Languedoc Roussillon

Languedoc Roussillon

As fortalezas de Vauban: Património da Humanidade catalogado pela UNESCO.

Desde 7 de Julho 2008 as fortalezas de Mont-Louis e de Villefrance-de-Conflent (Pirinéus Orientais) fazem parte do Património Mundial da Humanidade catalogado pela UNESCO. Vauban, engenheiro francês ao serviço do rei Louis XV foi ao mesmo tempo militar, arquitecto, grande viajante e observador do seu tempo. Edificou em toda a França uma grande quantidade de fortificações chamadas “correia de ferro”. Actualmente cidade turística, caminhar pelas suas ruas e descobrir os artesãos que ainda mantêm as tradições, é um convite a viajar no tempo. Para mais informações www.mont-louis.net, www.villefranchedeconflent.com

Saborear o Sul de França, grande tradição vitícola

O vinhedo do Languedoc-Roussillon é o mais vasto e antigo do mundo. Cultivado pelos gregos e desenvolvido pelos romanos, estende-se desde a ribeira direita do Reno até os Pirinéus. Actualmente, mais de 30 denominações de origem (A.O.C.) compõem uma gama rica de tintos, roses e brancos muito enraizados à tradição regional. Venham viver a paixão pelo vinho no Languedoc-Roussillon!

Navegar pelo Canal du Midi

Percorrer o Languedoc-Roussillon pelo Canal du Midi é uma das maneiras mais agradáveis de perceber o encanto e a suavidade desta região. Desde Castelnaudary, rodeando Carcassonne e o País Cátaro, percorrendo os vinhedos do Languedoc, chega até Narbonne, Béziers... para finalmente chegar ao Mar Mediterrâneo. A rede navegável do Languedoc-Roussillon oferece a garantia de umas férias originais, aliando a diversidade e a beleza das suas paisagens à convivência da gente do Sul de França.

Turismo Urbano

Comprar os tecidos típicos catalães em Perpignan, encontrar as melhores marcas em Montpellier ou degustar as especialidades no mercado de Nîmes! As melhores propostas para um “city break” no Languedoc-Roussillon...

Montpellier, capital do Languedoc-Roussillon situada a sete quilómetros do mar, está dotada de uma boa rede de comunicações terrestres e aéreas (Air Nostrum linha aérea Madrid-Montpellier). É uma cidade ideal para passar um fim-de-semana ou uma ponte porque põe ao alcance de todos história, cultura, património, gastronomia, shopping e vida nocturna para todos os gostos e idades! Conhecida pelo seu ambiente estudantil e seu passado histórico, é um centro de iniciativa cultural. Para mais informações www.montpellier.fr e www.ot-montpellier.fr

O Museu Fabre encerra uma das mais belas colecções de França com obras de Courbet, Delacroix, e do pintor Pierre Soulages. À margem das colecções permanentes, o Museu Fabre propõe um rico programa de exposições temporais que convidamos a visitar em www.montpellier.fr

Nîmes, Define-se pelos seus 2000 anos de história que podem ser sentidos ao percorrer suas ruas e que se reflectem na Maison Carrée, característico anfiteatro romano (único templo do mundo que se conserva inteiramente) onde ainda hoje se celebram espectáculos taurinos, a Ponte du Gard, testemunho do passado e do presente sobre as águas, O Castellum, a Torre Magna e o Templo de Diana. E não há uma arte mais presente neste lugar que a da vida Mediterrânica…incansáveis dias de sol radiante, festas tradicionais, gastronomia excelente, as suas histórias curiosas e acima de tudo: uma grande paixão pela vida do Sul de França. www.ot-nimes.fr

Perpignan. Capital económica e cultural do Roussillon. Amada pela sua luz, acolheu grandes pintores que ficaram deslumbrados pela sua beleza e serenidade... “O centro do mundo”, assim foi baptizada a estação de comboio por Salvador Dalí. É uma cidade que deslumbra pela sua “Loge de Mer” (o mercado de valores), a assembleia regional (Palais de la Députation) e o Palácio dos Reis de Maiorca, o Hôtel de Ville (câmara municipal) e o emblemático Castillet. Podem-se também visitar o “Campo Santo”, o maior claustro funerário de França e a Catedral de João Baptista como expressões da arte religiosa. www.cdt-66.com

2009: 800 aniversário da Cruzada Cátara

A misteriosa Idade Média em conjunto com a antiga e perseguida religião dos “homens bons”, transportam-nos a terras do Languedoc sob a armadura dos cátaros contra a oposição eclesiástica. Ao longo do século XII começou a desenvolver-se o que acabaria numa manifestação clara de uma religião “pura” como a denominaram os próprios fiéis. Os cristãos, chamados e motivados por Inocente III, levam as armas à procura das terras cátaras, conhecidas pela sua riqueza agrícola. A guerra rebenta em 1209 e o massacre dura 20 anos envolvendo em grande parte a cidade de Carcassonne e provocando até 22.000 mortos.

Depois desta tela histórica e 800 anos depois, a região de Aude revive esta epopeia à volta da fortaleza inexpugnável de Carcassonne, descobrindo as cidades de Aguilar, Peyrepertuse, Puilaurens e Quéribus e suas impressionantes fortalezas e castelos cátaros, abertos a conferencias e espectáculos. Para ver as celebrações à volta deste evento, visite www.sunfrance.com

Vias Históricas

O Caminho de Santiago de Compostela Baptizada assim uma das vias do Caminho de Santiago mais meridional de França, também chamada Via Arletanensis, percorre 1588 km (64 dias à pé). A antiguidade romana, as importantes cidades, os modestos mosteiros, as formosas igrejas e impressionantes castelos conferem seu valor e riqueza. Ratificada pelo Guia do Peregrino escrito por Aimery Picaud no século XII, passa pelo portal Romano de Saint-Gilles (Gard), atravessa Montpellier (Hérault) passando por Saint-Guilhem-le-Désert, Lodève, o castelo dos Hospitaliers de Usclas-du-Bosc e finalmente o priorato de Saint-Michel de Grandmont. Para mais informação sobre a “Associação de amigos do caminho de Santiago de Compostela” em Languedoc-Roussillon: www.chemin-arles-en-lr.com e www.sunfrance.com

A Via Regordana É o antigo eixo de circulação que une a região de Nîmes com a de Auvergne. Conhecida por ser a segunda via do Caminho de Santiago, direcção Saint-Gilles, que junta a costa do Languedoc com o Maciço Central cruzando Le Puy-en-Velay. Podem encontrar mais informação em www.tourismegard.com e www.sunfrance.com

A Via Domitia Via mais antiga de França construída por Cneus Domitius Ahenobarbus no ano 118 A.C. Fundamentalmente criou-se a partir do crescimento do império romano por motivos comerciais, militares e de comunicação, que facilitou enormemente a colonização de novos territórios como por exemplo a cidade de Narbonne. Por conseguinte, a Via Domitia cruza as cidades de Nîmes, Montpellier, Béziers e Narbonne, cruzando os Pirenéus Orientais até Espanha.

Informação Via Domitia www.viadomitia.org e informação Turística www.sunfrance.com