Descubra a arte contemporânea do vitral na região da Champagne

Terra do vitral, a Champagne é uma das regiões francesas que apresenta uma maior concentração. Com grande tradição secular no mundo da arte, o vitral está mais vivo que nunca. Como é que esta arte se renovou e inspira a criação contemporânea? As técnicas são as mesmas? Fomos falar com Flavie Serrière Vincent-Petit, criadora e restauradora em Troyes.
Como define o vitral?

Segundo a definição de Jean Lafond, "o vitral é uma composição decorativa que obtém o efeito transparente a partir do suporte (…) e cujo elemento principal é, até hoje, o vidro." Ela abrange os vitrais do início da Idade Média e os vitrais contemporâneos. O vitral é também uma questão de montagem: de vidro, metal e, às vezes, chumbo. Também gosto muito de outra definição, de Vitellion, um monge alemão do século XI: o vitral é um médium que transforma a luz física em luz divina.

O que há em comum entre o seu trabalho de restauradora e criadora?

Eles complementam-se. Quando restauramos, estamos ao serviço da obra antiga, a que temos de devolver toda a sua visibilidade, mantendo-a autêntica. É um momento muito calmo, meditativo. Quando criamos, é muito mais stressante, há um risco grande. O vitral antigo inspira muito as minhas criações, pois baseio-me nas técnicas e ícones do passado, mas transformo-os completamente. O vitral antigo é um dos meus suportes de criação.

Qual é a diferença entre o vitral antigo e o contemporâneo?

Acho que não há diferenças. As técnicas antigas ajudam-me nos meus conceitos artísticos. Ao serviço da arte contemporânea, da obra e da construção, é toda esta cultura do antigo que vai modificar o olhar e a forma de abordar as coisas.

Matisse, Chagall, Soulages, Benzaken, Raysse… De que forma os artistas se investem no vitral?

Uma das dificuldades da criação contemporânea do vitral é tentar encontrar alguma opacidade regular da tela e ter a tendência para ignorar este suporte transparente em vez de jogar com o que faz a essência do vitral: o confronto da opacidade, opalescência e transparência. O facto de ter um suporte transparente de duas faces pode ser muito desestabilizador. Isso pode dar origem, como no século XIX, a um aspeto de revestimento, uma obra de artista nas janelas e não um vitral como acompanhamento da arquitetura. Este termo de acompanhamento está esquecido, mas é a essência do vitral. A mim, o que me interessa, é a luz. Não há vitrais sem arquitetura, por isso, criamos espaços luminosos. Se não houver um diálogo entre o vitral e a arquitetura, perde-se alguma coisa.

Para mais informações:

Como chegar a Troyes, na Champagne