Alguns filmes para sonhar com a França… antes de vir!

Dos topos dos Alpes às colinas da Provence passando pelas praias da Bretanha, não faltam cenários cinematográficos na França. Os diretores de cinema, cientes disso, sabem sublimar as paisagens escolhidas para constituir os panos de fundo de seus filmes. Enquanto prepara sua viagem para visitar as regiões francesas, dá uma olhada no que lhe espera...

No meio das cigarras, na Provence: Jean de Florette (Claude Berri, 1986)

Escrita e dirigida por Claude Berri, esta adaptação do livro de Marcel Pagnol, Jean de Florette, foi lançada em 1986. O filme nos projeta em meados da década de 1920, em plena Provence. Cigarras, garrigues e sotaques cantados compõem o cenário. O jovem Ugolin (Daniel Auteuil) acaba de voltar do serviço militar e tem um sonho: cultivar cravos. Seu tio, conhecido como "le Papet" (Yves Montand), pretende ajudá-lo, mesmo que para isso tenha que mentir, enganar e manipular. Jean de Florette (Gérard Depardieu) pagará caro por isso). Um drama mítico, com alguns dos maiores atores franceses, que lhe fará sonhar com as colinas da regiões do Var, do Luberon, do Vaucluse e do Gard.

Com os pastores nos Alpes: Belle & Sébastien (Nicolas Vanier, 2013)

Esta é uma história que fez parte da infância de várias gerações de crianças francesas. Inicialmente, Belle & Sébastien são os heróis de romances escritos nos anos 60 por Cécile Aubry, e adaptados em série para a televisão. Contam a história da amizade entre um menino e uma cachorra num cenário de montanhas que exalta a profissão de pastor. Em 2013, o aventureiro-escritor Nicolas Vanier propôs uma releitura do mito e dirigiu um filme baseado nessa história. Com 80% do longa-metragem gravado no Vale da Haute-Maurienne e da Vanoise, nos Alpes, o filme também propõe uma escapada pelo planalto de Ambel, no Vercors. Um convite para respirar o ar puro das montanhas francesas com toda a família.

Em uma fazenda dos planaltos do Vercors: Uma Andorinha Fez a Primavera (Christian Carion, 2001)

Lançado em 2001, este filme é surpreendentemente atual: a personagem principal, interpretada por Mathilde Seigner, está entediada num emprego na área de informática em Paris. Ela decide "se reconectar com a Terra" - uma tendência muito em voga hoje em dia - e opta pelas paisagens maravilhosas dos planaltos do Vercors. O maciço montanhoso - que se estende entre os departamentos de Isère e Drôme - serve de pano de fundo para a história. Mathilde Seigner compra a fazenda de Michel Serrault, perfeito no papel de um velho resmungão mal-humorado que decide infernizar a vida da jovem parisiense recém-chegada em sua região.