5 minutos para saber tudo sobre o vinho de Bordeaux

Bordéus é maior região vinícola DOC de França. Mas o que é que isso significa? Que tipos de vinho existem? Quais são as suas características?
Tem 5 minutos para ficar a saber tudo sobre o vinho de Bordéus…
O território é marcado pelo rio

Na costa atlântica, abrangendo a margem esquerda e a margem direita do rio Gironde, a região vinícola de Bordéus é influenciada pela água, que torna o clima temperado e marca os vinhos.
Mas também são os solos únicos e variados que tornam os vinhos excecionais. As 13 castas autorizadas aqui pelos decretos de denominação de origem estão bem implantadas. Na verdade, em Bordéus, só se produzem vinhos de assemblage. Cada variedade dá o seu contributo para encontrar o equilíbrio perfeito e garantir a longevidade dos vinhos.

O vinho de Bordéus vê a vida vermelha.

A produção é consacrada a mais de 90% ao vinho tinto. No topo da lista está a casta merlot, com toda a elegância, a rainha da margem direita (pomerol, saint-émilion). A cabernet sauvignon atribui a sua força e potência à margem esquerda (médoc, graves), enquanto que a cabernet franc complementa com o seu toque colorido e aromas intensos.

As castas brancas merecem igualmente ser conhecidas.

Em Sauternes, a casta sémillon é enriquecida pela magia da podridão nobre para dar excelentes vinhos licorosos. Entra os rios Dordonha e Garonne, Entre-Deux-Mers é a terra prometida da sauvignon blanc, fresca e expressiva. Em Pessac-Léognan, estas duas castas são envelhecidas em pipas de carvalho para proporcionar grandes vinhos brancos que se podem guardar.

O clairet é uma pepita local.

O clairet é um vinho único, com grande história, resultante de um método de elaboração particular. Provém, principalmente, da merlot bem madura, macerada pouco tempo para manter a sua cor clara, entre o tinto e o rosé, e dar origem a um vinho leve.

Não há só os grandes vinhos de Bordéus.

Haut-Brion, Latour, Margaux, Mouton-Rothschild, Pétrus, Yquem... são nomes muito conhecidos, mas representam apenas menos de 5% da produção. Em Bordéus, existem inúmeros castelos acessíveis a todos.

A região vinícola de Bordéus aposta no design.

Há alguns anos que os castelos não hesitam em quebrar as regras para se destacarem e desenvolverem o enoturismo. Arquitetos famosos projetam caves vanguardistas que se integram perfeitamente na paisagem e que agradam tanto a enófilos, como amantes da cultura.

A Cité du Vin a não perder.

Com uma arquitetura ousada, programação variada, cenografia lúdica e abertura de espírito, a Cité du Vin cria estupefação e entusiasmo. É um museu de nova geração, um autêntico espaço de vida que oferece uma grande liberdade para descobrir as culturas do vinho do mundo inteiro.

Os famosos canelés são criados em pipas de carvalho.

Estas delícias, com um corpo macio e dourado, estão, de facto, ligadas à produção de vinho. Durante uma etapa de vinificação denominada colagem, eram colocadas claras nas pipas para estabilizar os preciosos néctares. E as gemas eram aproveitadas na receita dos cannelés!

O vinho de Bordéus seduz pela sua diversidade. Existem castelos magníficos repletos de história e caves contemporâneas, assim como "pequenos" produtores que têm todo o gosto em partilhar a sua paixão.

E ainda...
  • Para apender a fazer uma prova de vinhos: École des vins de Bordeaux.
  • Uma loja para comprar belas prendas sobre o tema do vinho: La Boutique de La Cité du Vin.
  • Uma aldeia encantadora para visitar: Saint-Émilion.
  • Um livro a não perder: Élixirs, premiers grands crus classés 1855, Jane Anson, édition La Martinière.

Como chegar a Bordéus