13 itinerários para fazer caminhadas nas belas Grandes Rotas de França

Ao longo dos seus trilhos mais famosos de Grandes Rotas (GR), França revela-se sem pressa. France.fr selecionou 13 itinerários para explorar o país e (re)descobrir os seus tesouros.

Visite o Topo da Europa nos Alpes

Embora esteja fora de questão subir ao cume do Mont-Blanc, a GR TMB (Tour du Mont-Blanc) faz o tour pelo Topo da Europa a partir de Les Houches, às portas de Chamonix, em cerca de dez dias. Glaciares e agulhas, pastos alpinos e neve eterna... as paisagens das montanhas altas encantam e atravessam mesmo fronteiras, na Suíça e em Itália. A passagem por vários desfiladeiros (Bonhomme, Brévent...) corta a respiração. No entanto, esta caminhada é acessível a quem gosta de estar em forma.

Dominar as ondas na Côte d'Albâtre, na Normandia

“Viajar torna-nos humildes. Podemos ver melhor o quão pequenos somos no mundo”, dizia Gustave Flaubert, cujo bicentenário do nascimento foi celebrado na Normandia em 2021 e cujas festividades se estendem até junho de 2022. Minúsculos somos perante as falésias da Côte d'Albâtre, teatros de caminhos vertiginosos. De Le Tréport até Le Havre, o “Littoral de Normandie” foi eleito a Grande Rota preferida dos franceses em 2020. Campos verdes, autênticos portos e aldeias pitorescas marcam os passos, começando por Etretat, cenário das aventuras de um certo... Arsène Lupin.

Seguir as pegadas de Napoleão na Provença

Com o bicentenário da morte de Napoleão celebrado este ano, sonhamos em ser generais! A GR 406 (Rota Napoléon) segue as pegadas do Imperador que seguiu por este caminho no regresso da ilha de Elba, em 1815, para evitar a hostilidade das cidades reais. O trilho atravessa as zonas naturais dos Alpes da Alta Provença, explora cidades com encanto rústico e património notável: Castellane, Digne-Les-Bains, Sisteron... A promessa de uma caminhada próxima da grande história.

Caminhar ao longo da costa no Sentier des Douaniers, na Bretanha

De todas as etapas do Sentier des Douaniers (GR 34) que faz o tour pela Bretanha, a décima segunda é uma das mais belas, alternando suaves baías e penhascos íngremes. Do porto de Douarnenez, famoso pelas sardinhas e pelo bolo kouign-amann (cada qual com os seus gostos!), o itinerário leva à Pointe du Raz. De charnecas plantadas com urze em praias imensas, é fácil compreender por que é que este Fim do Mundo (finis terrae em latim, Finistère em francês) inspirou tantos pintores, de Eugène Boudin a Jules Breton...

Superar-se com a “grande travessia” na Córsega

Não é uma terra de marinheiros, mas sim uma charneca de pastores; não é uma ilha, mas sim uma montanha instalada sobre as ondas. É, portanto, em altitude que a Córsega revela a sua verdadeira alma, ao longo da GR20. Mas não se trata de se aventurar ao acaso nesta rota reservada aos caminhantes experientes. Das agulhas recortadas de Bavella às cascatas dos ingleses, das aldeias suspensas aos lagos solitários, as paisagens impressionam. Caso contrário, o último troço, entre Paliri e Conca, dá o mote.

Fazer do Loire o seu fio... verde

Esqueça as charretes! Hoje em dia, para estarmos em sintonia, exploramos as margens do Loire a pé ou de bicicleta. Os mais ousados caminham os 1243 km da GR3, desde a foz do rio até ao estuário. A maioria está satisfeita com uma das 52 etapas, por exemplo, entre Orleães e Tours. Neste Vale do Loire, querido para os reis de França, aldeias troglodíticas (Troo, Vouvray), jardins arranjados (Chaumont-sur-Loire, Villandry) e castelos nobres (Blois, Cheverny, Chambord, Amboise) marcam as paisagens selvagens do Loire.

Admirar a linha azul dos Vosge

A GR 531 não é apenas o mais alsaciano dos percursos pedestres de longa distância que atravessam os Vosges. Também segue os picos do maciço, através dos dois parques naturais dos Vosges du Nord e dos Ballons des Vosges. De desfiladeiro em desfiladeiro (Bramont, Bussang...), podemos respirar fundo enquanto desfrutamos de uma vista desafogada que se estende até aos Alpes, em particular, desde o Grand Ventron (1204 m). Mais abaixo nos vales, vinhedos e aldeias prometem paragens saborosas, como no vale do Munster.

Ganhar a medalha nos arredores de Paris

Ao longo dos Boulevards dos Marechais e da antiga linha férrea da da Petite Ceinture, a GR 75 explora a Paris insólita, a dos parques emblemáticos (Boulogne, Vincennes) e dos bairros populares. Criada em 2017 para apoiar a candidatura olímpica, o trilho é também um extraordinário campo desportivo, descobrindo os locais dos Jogos Olímpicos de 1900 e 1924 e os que acolherão as provas de 2024. Desde a piscina Georges Vallerey, onde Johnny Weismuller (que se tornaria Tarzan no cinema) ficou famoso há um século, ao Parc des Princes, sonhamos com a medalha de ouro...

Saborear os encantos da bacia de Arcachon

As boémia casas de madeira de Cap Ferret, ao lado das cabanas de ostras de Andernos-les-Bains; as vilas aristocráticas de Arcachon ecoam as areias intermináveis da Duna de Pilat. Esta diversidade é o que torna a GR “Tour da bacia de Arcachon” tão especial. Planos, os 85 kms banhados de um lado pelas águas deste “mar interior” e, do outro, pelos perfumados pinhais, percorrem-se facilmente. Só as pausas iodadas - ostras de Gujan-Mestras ou caviar do Teich - abrandam o passo; e o vento a cantar nos ouvidos...

Trotar com um burro nos Cevenas

Em 1878, Robert Lewis Stevenson atravessou o Maciço Central com o seu burro Modestine. Nos passos do escritor, a GR 70 - vista em 2020 no filme “Antoinette dans les Cévennes” - pode ser percorrida com ou sem burro. O animal é teimoso, mas muito útil para transportar bagagem ou aliviar crianças cansadas! O trilho explora as florestas selvagens de Gévaudan, atravessa o caos granítico do Monte Lozère... Ao longo do caminho, aldeias com personalidade (Florac, Saint-Jean-du-Gard...) acolhem os viajantes e os seus companheiros de quatro patas.

Deixe-se surpreender nos arredores de Nantes

A cidade há muito conhecida como a “Cidade Adormecida” acordou! No espaço de uma década, Nantes subiu ao topo da lista das cidades onde é bom viver. A sua vibração cultural, simbolizada pelas zonas industriais devolutas reabilitadas da Île de Nantes, não ofusca o seu património “natural” com 1000 hectares de parques e jardins. Isto merece uma GR! O trilho “Pays Nantais” que circunda a cidade revela a diversidade das suas riquezas, desde as planícies hortícolas no Sul até ao vale do Erdre, no Norte.

Respire ar puro na Echappée Jurassienne

A Echappée Jurassienne (GR 59) explora o Jura, desde a cidade de arte e história de Dôle até Saint-Claude, capital do cachimbo, através das vinhas do estranho “vinho amarelo” em Arbois ou Château-Chalon, e as salinas de Salins-les-Bains classificadas como Património Mundial da Unesco. Embora o desnível enrijeça os gémeos, a rota é acessível a todos os caminhantes. Pode-se passear à volta dos lagos de Chalain e Bonlieu; pode-se subir as encostas do Haut-Jura cobertas de prados verdes e densas florestas, acompanhado por cães de trenó para uma cani-rando revigorante.

Observar a fauna na Baía de Somme

Habituadas a ver os caminhantes passar, as focas que povoam a Baía de Somme já não têm medo! São as estrelas da GR 800, homologada em 2018. Desde os jardins flutuantes de Amiens, estes jardins datados da Idade Média e atravessados por canais, até ao mar, o trilho vagueia ao longo do rio e revela recantos da natureza preservada que se tornaram santuários de animais. Este périplo entre terra e água é também uma oportunidade para observar patos, marrecos e garças, particularmente na reserva de Grand-Laviers. Binóculos obrigatórios!

Ir mais
longe