O Natal nos bastidores das Galerias Lafayette

Para além de uma estrelinha e alguns brilhantes no parque de estacionamento, não há nada que permita saber o que se passa nesta zona residencial de Saint-Maur-des-Fossés. Um segredo bem escondido. Cerca de dois meses antes das festas, conseguimos entrar nestas fábricas dos arredores de Paris onde as Galerias Lafayette preparam todos os anos as suas decorações de Natal.

Por trás de uma porta pesada, um odor a resina e serradura. Nas paredes, uma exposição de ferramentas. E no chão, aparas de madeira, bocados de fita-cola, um balão vazio, brilhantes…
A fábrica começa a animar-se. Alguns estão de macacão, outros de calças de ganga, salpicados de tinta e verniz. Está fresco por baixo desta enorme claraboia, mas há imensa luz. Cada um tem a sua tarefa: envernizar uma janela, polir uma maçã do amor ou moldar um algodão doce. Um martelo acompanha o ritmo. Uma serra e uma lixa estão em harmonia.

O frenesim dos artesãos de Natal

"Cuidado, não salpiquem os meus gansos brancos com a vossa tinta!". Entre a roda gigante e um monte de balões cromados, assistimos ao frenesim destes artesãos de Natal. Eles vêm de Belas-Artes ou da Escola Boulle, são especialistas do metal ou do tecido, lixam, penteiam e revestem, e são, acima da tudo, polivalentes. Aqui não há nem tarefas, nem lugares atribuídos. Os postos de trabalho são instalados onde há espaço. As equipas são feitas e desfeitas em função das necessidades e das disponibilidades.

Maçã do amor vermelha

Num ambiente ainda branco, a cor chega às pinceladas. Encontramos a Mathilde, que, há cinco minutos, estava a enrolar algodão doce, pintando a pata de um elefante que ainda não está pronto para a festa. A Laura está a preparar uma mistura estranha que, com um toque de varinha mágica, se transforma em maçã de amor. Já a Angela, pousou a pistola de cromagem e começou a embalar balões. Há azuis, cor-de-rosa e prateados. Vão todos para a árvore de Natal grande que será colocada por baixo da famosa claraboia das Galerias Lafayette Haussmann em Paris.
De repente, em silêncio, o carrossel começa a andar… É quase a hora da pausa. Mas não muito longa, porque a roda gigante está à espera da maquilhagem. Antes de irmos embora, passamos pelo soprador para tirar o pó e os brilhantes da nossa roupa e cabelos. E cá estamos de volta ao parque de estacionamento. Será que isto foi tudo um sonho? Iremos à abertura da época natalícia, no 40 boulevard Haussmann para verificar…

Como chegar a Paris