Jardins que emocionam no Val de Loire

A eternidade à qual nos referimos aqui não é a do paraíso, como no jardim persa, mas sim a das sacolas de plástico roxas que balançam no meio de uma "selva" vegetal! "Um cultivo ideal que não requer rega nem cuidados e cujas cores seriam garantidas o ano inteiro" parecem sussurrar os autores ao ouvido do público. Junto com isso, um questionamento sobre a onipresença nas nossas paisagens atuais desse material pouquíssimo degradável...

É fascinante ver os reflexos que aparecem nos espelhos formados pela água. Mas logo depois vem uma pergunta: o que esta árvore solitária está fazendo ali? É "a possibilidade de uma ilha", como no livro do autor francês Michel Houellebecq, ou melhor, de um jardim quando o nível das águas subir e remodelar o espaço…

É fascinante ver os reflexos que aparecem nos espelhos formados pela água. Mas logo depois vem uma pergunta: o que esta árvore solitária está fazendo ali? É "a possibilidade de uma ilha", como no livro do autor francês Michel Houellebecq, ou melhor, de um jardim quando o nível das águas subir e remodelar o espaço…

Primeiro um caminho no meio de um bosque. E, de repente, um mar de cores amplificadas por espelhos discretos espalhados pelo jardim. As flores parecem brotar e se multiplicar de maneira infinita. Com razão: a edição deste ano é Flower Power. Uma oportunidade única para pausar o tempo e dedicar um tempo à contemplação da natureza.

Uma terra bruta que lembra o aquecimento global e uma vegetação exuberante que evoca sonhos de cidades aéreas. E no meio, um oásis que conecta tecnologia e preservação ambiental. Utópico mesmo?

Uma terra bruta que lembra o aquecimento global e uma vegetação exuberante que evoca sonhos de cidades aéreas. E no meio, um oásis que conecta tecnologia e preservação ambiental. Utópico mesmo?

Sonhadores, poetas ou estetas dedicam toda sua energia à construção de obras vegetais surpreendentes. São estes colecionadores com boas mãos para plantas que são homenageados através desta instalação, em que cada um dos "gabinetes de curiosidades vegetais" contém uma palmeira rara como um tesouro…

Reintroduzir o pecado no Jardim do Éden do qual Adão e Eva foram expulsos? Que ideia maluca! No meio dos arbustos, um espelho diferente convida o visitante vaidoso a admirar a sua própria imagem, como se fosse Narciso. Pode-se procurar também sinais por trás das aparências, um jardim escondido no fundo da água ou o reflexo das nuvens. A paisagem está para além do espelho…

Reintroduzir o pecado no Jardim do Éden do qual Adão e Eva foram expulsos? Que ideia maluca! No meio dos arbustos, um espelho diferente convida o visitante vaidoso a admirar a sua própria imagem, como se fosse Narciso. Pode-se procurar também sinais por trás das aparências, um jardim escondido no fundo da água ou o reflexo das nuvens. A paisagem está para além do espelho…

Uma estrutura vegetal como uma rede de cipós suspensa: esta é a aposta louca de Jean-Philippe Poirée-Ville, que desenvolveu um sistema de cultivos aéreos. Seus silfos formam linhas e curvas que se entrelaçam, oferecendo um contraponto ousado à verticalidade do castelo.

Uma estrutura vegetal como uma rede de cipós suspensa: esta é a aposta louca de Jean-Philippe Poirée-Ville, que desenvolveu um sistema de cultivos aéreos. Seus silfos formam linhas e curvas que se entrelaçam, oferecendo um contraponto ousado à verticalidade do castelo.

Como inspiram prosperidade estes bulbos gigantes que parecem ter acabado de sair do húmus em que estavam... Esta opulência é uma homenagem feita ao trabalho da terra e, além disso, à arte de uma biodiversidade feliz, o futuro do jardim!

Este quadro com tons pastéis e escuros parece um clube de jazz num gramado. Dá pra escutar a voz da Billie Holiday cantando "Body and soul". Uma homenagem à cantora e ao jardim, que curam corpo e alma...

Este quadro com tons pastéis e escuros parece um clube de jazz num gramado. Dá pra escutar a voz da Billie Holiday cantando "Body and soul". Uma homenagem à cantora e ao jardim, que curam corpo e alma...

Este oceano coberto de vermelho parece alertar-nos para um perigo iminente. Uma mensagem que tem muito a ver com nossos tempos e na qual pensamos sem perder a esperança como fio condutor: a vida está nestes arbustos, palpitando como um coração!